Xamanismo: Ritual de Iniciação X Ritual de Iniciação da Vida

Xamanismo :Série de Textos do filme Avatar

Parte I

Ritual de Iniciação X Ritual de Iniciação da Vida

Essa cena pode ser descrita ou identificada como um Ritual de Iniciação do Xamanismo. Dentro das ritualísticas dessa cultura existem, basicamente, dois tipos de rituais: Ritual de Iniciação e Ritual de Passagem.

O Ritual de Passagem define ciclos abertos para todas as pessoas como, por exemplo, a mudança da fase adolescente para a fase adulta ou o primeiro ciclo menstrual. Os rituais aqui favorecem as mudanças nos aspectos psíquico, mental, espiritual e emocional, o que auxilia a definição dos propósitos distintos de cada fase.

Na minha visão, as mudanças de ciclos acontecem como uma continuidade. Então, ao fechar um ciclo, outro se abre e tudo o que foi praticado, desenvolvido e aprendido no ciclo anterior serve como base para o novo.

Eu o (a) convido a fazer um paralelo entre o Ritual de Iniciação e o Ritual de Iniciação da Vida para que esses rituais não fiquem tão distantes do mundo físico e de todos os desafios vivenciados.

As mudanças de ciclos acontecem para que dons, talentos e habilidades sejam desenvolvidos ou despertos. Se a pessoa não tiver uma presença presente, para saber que isso é a sua Vida e que é possível praticar no agora, a vivência se resume a um ritual.

O cenário se inicia com uma pintura no rosto. Essas pinturas são desenvolvidas ou construídas de duas formas no mundo da cultura xamânica: pinturas para as guerras, que remetem ao medo, à energia do ataque; e a outra, que é representada nessa cena, definida como pintura de iniciação.

A pintura de iniciação é singular e atende à característica própria da pessoa. Então, a força da expressão dessa pintura representa uma expressão autêntica. Nessa cena, ela foi ilustrada em cores neon, que se referem, também, ao Corpo Etérico. As linhas de expressão demonstram o que está dentro e como a pessoa vê esse mundo.

Para mim, é assim que iniciamos o ritual da Vida. É quando há a permissão para soltar daquilo que foi definido como bom, aceitável, reconhecível, honrável, para praticar o que se é com transparência. A validação do jeito próprio, observando, aprendendo, caminhando e honrando tudo o que se é, para trazer ou florescer a autoexpressão.

A primeira mensagem de qualquer ritual de iniciação é a transparência para, ao se mostrar para o mundo, complementar e agregar na prática da sociabilização.

Um grande abraço!

Bruna Letícia – Fisioterapeuta e Terapeuta da Alma

Nenhum comentário

Deixe seu comentário